IMG_4188
Adriana_Costas

Adriana Félix

Jundiaí – SP
37 anos
Digital influencer

O câncer, para mim, foi um alerta. Prestar atenção. Eu não tinha tempo de comer, me cuidar, no banho estava sempre pensando no próximo compromisso. Tive meus momentos de tristeza diante do incerto, me permiti sentir tudo, mas não deixei que me derrubasse. Mexi na alimentação, atividade física, mas também passei a cuidar mais de dentro: voltei a trabalhar, estou estudando design de interiores, me aproximei de Deus.

Sempre fui saudável. Aos 34 anos percebi o nódulo deitada quando passei a mão sem querer. Fiz tudo pelo SUS [Sistema Único de Saúde], tratamento de excelência, mas quis estudar a doença e também achei um mastologista fora da rede, porque eu precisava de mais conversa. Lembro dele explicar o triplo negativo, a boca dele mexia, mas eu estava fora do meu corpo. Quando voltei, não sei de onde veio isso, consegui perguntar para ele: doutor, fala tudo o que eu preciso fazer, porque eu vou lutar pela minha vida. E ele disse: se você confia em mim, deixa eu cuidar de você.

Depois que passou tudo, ele me contou que, me vendo chegar maquiada, vaidosa, duvidou que eu fosse dar conta do protocolo, que é mais agressivo, mas o tumor regrediu para luminal b. Ainda bem que ele não falou. Muitos falam. Eu sei porque conheço muitas mulheres, e ouço muitas histórias diferentes da minha.

Esse meu compromisso de ser verdadeira, e de pensar no coletivo, me move na direção de ajudar outras pessoas. Tem quem diga para eu virar a página, isso já passou. Mas não dá. Estou determinada a fazer a diferença.

Cuidar de si mesmo

O diagnóstico do câncer pode fazer a pessoa rever valores e prioridades na vida. Pode querer passar mais tempo com a família, os amigos, decidir ser voluntário, voltar a estudar ou trocar de emprego. O importante é começar a fazer coisas que a façam mais feliz.

Fonte: http://www.oncoguia.org.br/conteudo/gerenciando-o-estresse/9654/69/